Divando Liz Taylor, a bela dos olhos cor de violeta e filmes inesquecíveis

Por A mais B, divando Elizabeth Taylor: filmes memoráveis e uma das mais belas atrizes do cinemão, a dama dos olhos cor de violeta (Fotos: site doctormacro)

Beth Barra

Liz Taylor tornou-se quase uma deusa esquecida, mais lembrada pelos escândalos, por sua relação tumultuada com Richard Burton, pelos diamantes e pelo álcool. Aos 11 anosjá estava na telona em Lassie e aos 40, apesar do talento, praticamente encerrou sua carreria no cinema. Belíssima, Elizabeth Taylor, com seus olhos cor de violeta, cabelos pretos e pele de alabrasto, fez filmes emblemáticos. Gata em Teto de Zinco Quente (1958), adaptação da peça homônima de Tenessee Williams, é um dos grandes trabalhos da atriz. Então com 26 anos, ela foi indicada ao Oscar pelo papel de Maggie, assim como Paul Newman e o diretor Richard Brooks. Um filme denso e com temática adulta, no qual Newman (lindo e com uma atuação memorável) vive um ex-astro de futebol americano, alcoólatra e que despreza sua bela mulher.

Em 13 de dezembro de 2011, o nome de Liz Taylor – que morreu em 23 de março desse mesmo ano, de um ataque cardíaco – voltou aos noticiários e concentrou novos e tradicionais milionários com o leilão de algumas de suas joias, realizado pela Christie’s, em Nova York. Os 80 lotes alcançaram vendas de US$ 116 milhões – a previsão inicial da casa era de US$ 30 milhões. A pérola conhecida como “A Peregrina” foi uma das estrelas do evento, arrematada por US$ 11,8 milhões, recorde mundial para uma pedra preciosa comercializada em um leilão. A pérola percorreu um longo caminho entre a realeza até ser presenteada por Richard Burton à amada, nos anos 60. Datada do século XVI, pertenceu à coroa espanhola por oito gerações, até que José Bonaparte fugiu da Espanha com a preciosa carga. A Peregrina” passou pela Irlanda e pelos Estados Unidos até chegar ao porta-joias da atriz de olhos violeta.

A atriz do divando da semana do Por A mais B participou de filmes memoráveis, e foram 50 longas em sua carreira na telona. Ela tinha 10 anos quando foi descoberta e fez um contrato pela Universal Pictures, quando filmou There’s One Born Every Minute, o estúdio a dispensou, mas Elizabeth Taylor logo se tornaria uma estrela e um ícone do cinema norte-americano. Em 1942, após um teste para a MGM, ganhou um papel pequeno em A Força do Coração, primeiro filme da série Lassie.

Ainda uma menina, seu talento começou a ser dilapidado com O Príncipe Encantado” (1948) e foi ao lado de Montgomery Clift em Um Lugar ao Sol” (de George Stevens, 1951) que Liz Taylor começou sua história de diva do cinema. Ela se apaixonou pelo ator, que era bissexual e os dois foram grandes amigos até a morte dele. A partir dos anos 60, entre casamentos, paixões, joias e dezenas de filmes, a atriz brilhou em produções memoráveis – uma delas ao lado de Marlon Brando. Em Os Pecados de Todos Nós, quando fz a esposa infiel de um atormentado militar homossexual – o então belíssimo e impactante Brando.

Cleópatra é seu filme mais famoso, e uma das produções mais caras da época. Com ele, corre que a atriz ganhou um cachê de US$ 1 milhão para encarnar a célebre rainha do Egito ao lado de Richard Burton. O filme, realizado em 1963, com direção de Joseph L. Mankiewicz, Rouben Mamoulian e Darryl F. Zanuck mudou também a vida da atriz, que se apaixonou por seu partner. Os dois foram casados por duas vezes, a primeira por quase dez anos, e foi ao lado dele que veio o segundo Oscar, em 1966: “Quem Tem Medo de Virgínia Woolf?” Um desafio, pois Elizabeth Taylor representou uma mulher madura, insegura e alcoólatra. Já tinnha a esatueta por Disque Butterfield 8 (1960), além de indicações anteriores.

Diva Liz Taylor FilmesProblemas de saúde, cirurgias – ela teve um tumor cerebral, oito casamentos quatro filhos e, depois de décadas como diva da teloma, uma Liz Taylor com problemas de alcoolismo, sem o belo corpo dos anos de glória e praticamente longe do cinema. A vida amorosa tumultuada e a luta contra o vício marcaram os últimos anos da atriz, nascida em 27 de fevereiro de 1932. “Eu não finjo ser uma dona de casa comum”, disse certa vez, e seguiu assim até sua morte, aos 79 anos de idade.

QUATRO FILMES MEMORÁVEIS

Um Lugar ao Sol, 1951 – De George Steven, roteiro baseado em livro de Theodore Dreiser. Com Elizabeth Taylor e Montgomery Clift

Assim caminha a humanidade (Giant), 1956 – De George Steven, com Elizabeth Taylor, James Dean e Rock Hudson

Gata em Teto de Zinco Quente, 1958 – De Richard Brooks, com Paul Newman, Elizabeth Taylor, Vaughn Taylor

Os Pecados de Todos Nós, 1967 – De John Huston, com Elizabeth Taylor e Marlon Brando

 

#poramaisb – divando Elizabeth Taylor
beth.poramaisb@gmail.com
bethbarramoda@gmail.com

 

Por A mais B, divando Elizabeth Taylor (27/02/1932 - 23/03/2011, fotos Reprodução e estúdios)

 

Confira trailer de Gata em Teto de Zinco Quente (Cat on a Hot Tin Roof), embalada pela contagiante Sucker Love

Categoria: Divando