Ana Flávia e Carol, da Kalandra; história de paixão pela moda herdada da mãe

Por A mais B, entrevista: Ana Carolina e Ana Flávia Castro, diretortas da Kalandra: “Brincávamos com tecidos, cortando roupas para bonecas, fazíamos colagem com miçangas e o overloque também tinha sua vez” (Foto: Cacá Lanari)

Beth Barra

Vestidos de festa remetem a seda, musseline, chiffon, farfalhar de tecidso. Detalhes preciosos de bordados, pontos de brilho, modelagem perfeita – as mulheres emergem sedutoras, caminham elegantente de salto alto. O glamour da moda noite é repleto de magia, decotes; ora discretos; ora estratosféricos. As irmãs Ana Flávia (Diretora de Comunicação e Comercial) e Ana Carolina (Diretora de Estilo) há oito anos assumiram a direção da Kalandra, grife criada em 1979 pela mãe Flávia Castro. Do style causal do início, a criação de peças mil e uma noites e edições cocktail, que começaram em 1992, tornaram-se assinaturas da marca, assim como a numeração, que vai do 40 ao 52, revelando belezas e corpos reais em produções de acelerar o coração. Em entrevista ao Por A mais B, elas contam do aprendizado e do legado materno, do trabalho com moda e das coleções: o charme das parisienses inpirou o inverno 2016; Pergale, temporada verão,  chegou celebrando Zelda Fitzgerald e os anos 20. “Tivemos uma vivência muito grande dentro da confecção desde muito pequenas. Era como andar debaixo da nossa casa, passávamos nosso tempo livre lá. Brincávamos com tecidos, cortando roupas para bonecas, fazíamos colagem com miçangas e o overloque também tinha sua vez”, contam, revisitando a infância no ateliê.

Ana Flávia e Ana Carolina, a Kalandra nasceu há 37 anos, criada pela mãe de vocês. Infância e adolescência foram vividas também entre tecidos, sedas, modelagens?
Tivemos uma vivência muito grande dentro da confecção desde muito pequenas. Era como andar debaixo da nossa casa, passávamos nosso tempo livre lá. Brincávamos com tecidos, cortando roupas para bonecas, fazíamos colagem com miçangas e o overloque também tinha sua vez.

Há quanto tempo estão no comando da label?
Estamos ha mais ou menos oito anos.

Quais os aprendizados e lições herdados de sua mãe?
Aprendemos o principal que sempre foi trabalhar com que o que se ama, com que sefaz bem. Dessa forma, podemos ir à luta diariamente, acreditando que aquilo é o melhor. Aprendemos de tudo um pouco na confecção e aprendemos, principalmente, que, para cobrarmos temos que sempre buscar a maneira certa de fazer e agir. Acho que conseguimos aprender muito coisa nesse ambiente, mas acreditamos que trabalhar no ramo da moda é mais uma questão de dom. Acreditamos que tudo feito com dedicação, amor e conhecimento do que se faz,vale a pena.

Evenning dress, cokctail dress e linha luxo. Criações sofisticadas e também para mulheres da vida real, que usam manequim do 40 ao 52. Esse sempre foi um diferencial da Kalandra?
Acreditamos que sim. Nosso diferencial maior é fazer uma numeração bem democrática. Que atenda do 40 ao 52, pois existe uma carência muito grande. De uma roupa com conceito e informação de moda para pessoas de mais corpo.

Zelda Fitzgerald e os anos 20, O Grande Gatsby, de F. Scott Fitzgerald, retrata um mundo de glamour, fantasia, liberdade – como nasceu a coleção verão?
A apreciação da década de 20, uma época encantadora,com muito glamour e muita ostentação, serviu como ponto de partida. A escolha por Zelda Fiztcherard foi devida a ela ser um ícone da beleza e uma mulher de atitude e personalidade a frente da década

Para o inverno 2016 inspirações no savoir vivre das parisienses. Falem um pouco sobre o minimal dress, uma das novidades da nova coleção: modelagens, cartela de cores, silhueta.
O’ ‘minimal dress’ criado para coleção de inverno 2016 destaca atemporalidade e versatilidade das nossas peças. Com modelagens diferenciadas e recortadas, traz um ar de sofisticação ao nosso público, definindo melhor a silhueta da mulher. As cores vão das mais básicas como preto e nude as mais alegres.

Coleções de moda festa têm um tempo diferente de produção. Como vocês conciliam do tema à criação e finalização das roupas?
O calendário das feiras ficaram cada vez mais curtos, o período geralmente do desenvolvimento de coleção é de 3 meses.Inicialmente pesquisamos um tema e dele partimos pra um processo criativo seguido da execução e aprovação das peças pilotos, e por fim vem o bordado e finalização das peças.

Na linha luxo, Ópera Guarnier, arquitetura neobarroca, grandes apresentações teatrais e de dança migraram para a coleção.
Procuramos retratar detalhes presentes no tema com bordados da linha luxo. Lincamos o nosso painel de inspiração em todas as peças de forma a traduzir minuciosamente esses detalhes.

Carol, como é sua rotina de diretora criativa, você trabalha com uma equipe de estilo?
Essa rotina de diretora criativa da marca é bem corrida, e cheia de detalhes para cuidar. Atualmente trabalho com a ajuda de uma estilista, e criamos juntas a coleção. Nosso ponto de partida é sempre as pesquisas de moda e tendências da estação.

Como vocês captam e sentem a elegância, seja em looks casuais ou no glamour da moda festa?
Pelo bom gosto e combinação de peças.

 

TRÊS POR QUATRO

 

Um perfume: Bulgari Aqa Divina
Salto alto: elegância
Elegância: tudo!!!!!
Um livro: Felicidade Roubada (romance de Augusto Cury)
Um filme: A Espera de um Milagre (The Green Mile, de Frannk Darabont, 1999, com Michael Clark Duncan e Tom Hanks)
Uma viagem: Toscana, Itália
Look Trabalho: Como fico na fábrica, meu look é despojado e bem confortável, não deixando de lado a elegância!
(Por Ana Carolina, a Carol, Diretora de Estilo)

 

 

Um perfume: Jadore
Salto alto: indispensável
Elegância: fundamental
Um livro: A culpa é das estrelas (romance de John Green,)
Um filme: Uma linda mulher; não me canso de assistir!!! (Pretty Woman, de Garry Marshall, 1990, com Ricgard Gere e Jukia Roberts)
Uma viagem: Paris, com certeza
Look trabalho: confortável sempre
(Por Ana Flávia, Diretora de Comunicação e Comercial)

 

#poramaisb
beth.poramaisb@gmail.com
bethbarramoda@gmail.com

 

Cor do mês Kalandra Ve 2016 Chamada Post 2O inverno 2016 Kalandra,  batizada de ‘Saindo à francesaexala glamour e elegância nos vestidos em negro, ora com detalhes em branco ou white. O savoirfaire das parisinses, o estilo chique e despojado surge em dress com recortes, fendas.  Estão lá os preciosos bordados e as aplicações em strass, pedrarias, pérolas, rendas. Na atual temporada de verão da Kalandra, cores e uma aquarela que também privilegia tons lânguidos – nude, verde água, rosa antigo. Perlage, o nome da collection, remete ao borbulhar da champanhe e as celebrações memoráveis da época.