Eat me, o plano B do arquiteto Aldo Grossi é sofisticado, saudável e irresistível

Aldo Grossi: “O Eat me é o meu oceano azul por sair da competição acirrada com um diferencial” (Foto de Marcelo Sant’Anna)

Beth Barra

Eat me” (pronto para comer ou, literalmente, ‘me coma’). O nome sugestivo e divertido surgiu para aguçar o paladar por sanduíches saudáveis, receitas sofisticadas e saladas refinadas. Há pouco mais de três meses, Aldo Gonçalves Grossi, 42 anos, arquiteto, colocou no ar e na boca de centenas de clientes o seu plano B. Com 17 anos de profissão, ele divide prancheta e projetos com pães, folhas, molhos e ingredientes de dar água na boca, como presunto parma, salmão, cogumelos, queijos (gongonzola e brie). Sua sanduicheria funciona em sistema delivery, com pedidos pelo site, wz ou telefone. O projeto começou a ser desenhado após algumas viagens com a mulher Marina, odontóloga, aos Estados Unidos e pela Europa.

“Há anos já tinha a ideia de ter um negócio na área de alimentação, mas continuar o trabalho na arquitetura”, conta Aldo. Do sonho ao projeto, ele começou a se preparar para a vida de empreendedor, com cursos no Senac, pesquisas, leituras. Oceano Azul, o best seller de gestão de Renée Mauborgne e W. Chan Kim, publicado no Brasil pela Campus Editorial, o ajudou a focar em uma sanduicheria delivery.

Oceano Azul ajudou o arquiteto a entender que novos nichos são sempre compensadores. “O blue do livro é a criação de uma estratégia que se destaque de outros negócios do mesmo segmento e de seus concorrentes”, conta. Por isso, o foco, desde o início, foi criar receitas saudáveis, com excelência de ingredientes, quase sem uso de gordura – “que possa substituir uma refeição”, explica, ao falar sobre a adição das saladas ao cardápio.  Para manter a qualidade e trabalhar com ingredientes selecionados, optou em manter no primeiro cardápio oito tipos de sanduíches, todos em pão de formato baguete (italiano ou integral) e cinco opções de saladas. “É o meu oceano azul por sair da competição acirrada com um diferencial”.

Ninguém se torna empreendedor de um pequeno negócio, sem, antes, se qualificar, daí os vários cursos no Senac ligados à gestão, logística, meta e outros. O passo dois foi o cardápio, com receitas criadas pela chef Mika Costa, a partir de algumas sugestões dele. A dupla testou mais de 30 sanduíches e selecionou oito, com Aldo Grossi – que já era o cozinheiro da casa – aprendendo mais sobre a arte de transformar pães e ingredientes em delícias de comer com os olhos e agradar o paladar. As saladas foram surgindo na sequência.

Enquanto a cozinha era o centro da alquimia gastronômica, ele ainda precisava de tempo para os projetos de arquitetura e de avançar nas estratégias de venda e divulgação. Contratou uma agência para criar o site  (www.eatmebh.com.br), uma página no facebook, contratou fornecedores e fotografou os sanduíches e saladas – “imagens lindas”, orgulha-se, assinadas pelo casal Rubens Mello e Sarah de Mello, que trabalha nos Estados Unidos, mas estava em temporada aqui.

Aldo Parma Detalhe PostEntre os sanduíches e saladas, uma rotina de compra dos ingredientes, preparação dos molhos, cortes de tomates e outras delícias que recheiam cada um deles. Por enquanto, Aldo Gross atende apenas algumas regiões. Mas quer que seu negócio cresça sem perder as características de produtos refinados e saudáveis. Aumentar a participação em eventos é um dos planos para 2016, assim como já começou a testar com a chef novas receitas, incluindo algumas com produtos mineiros – linguiça, queijo de Minas, que serão adicionados a outros. “É a tal alquimia”, diz ele, que procura também um fornecedor de pão sem glúten, em formato de baguete.

Agora,  conta pra gente, qual seu sanduíche preferido? “de parma com queijo brie e abobrinha”, (foto) revela, enquanto prepara um delicioso vegano, o número 2, por sinal,  em sua cozinha, com direito à degustação, conversa com o Por A mais B e relaxdo com os cliques do fotógrafo Marcelo Sant’Anna.

E a vida fora da cozinha? Para conciliar arquitetura e o Eat Me, Aldo Grossi  trabalha cerca de 10 a 12 horas por dia. Mas estabelece tempo para prazeres além dos ofícios, como assistir filmes e ir ao cinema com a mulher, e alguns retornos: natação e tênis, esportes favoritos. O casal adora viajar e Aldo Grossi, que na adolescência morou três anos no Canadá com a família, elege três lugares inesquecíveis, que pretende voltar a visitar com Marina: Chicago, várias cidades da Califórnia e a região de Provence, no Sul da França.

 

#poramaisb
beth.poramaisb@gmail.com
bethbarramoda@gmail.com

 

Sanduíche de salmão