Por A mais B celebra com suas leitoras o Dia Internacional da Mulher

Na imagem das bailarinas, uma representação do feminino: executando, no cotidiano,  os passos de dança que a vida exige (Foto: Pixabay)

“Caibo melhor no mundo/ Se me dou conta do que julgava impossível”, com esse recorte do poema Branca de Neve, de Adélia Prado, celebramos o feminino em sua força, resistência, riso, lágrimas, sonhos, projetos, amores. De nossas humanas imperfeições emergem ternura, afeto, graça e a coragem de executar os passos de dança que a vida exige. Por A mais B celebra com suas leitoras o 8 de março, Dia Internacional da Mulher.

Em 25 de abril, o site Por A mais B comemora um ano de lançamento. Um projeto em dupla: duas mulheres, jornalistas e mães, envolvidas em um sonho que amanheceu, tornou-se real. Um trabalho diário feito com prazer e informação – para VOCÊ que nos inspira e move a seguir em frente; mulheres da vida real, feita de cotidiano e surpresas, encantos e espantos.

Esse estar no feminino ainda convive com um mundo pontuado por desigualdade, mas também com muitas conquistas e direitos reconhecidos. Na política, no mercado de trabalho, nas relações afetivas, no respeito às diferenças, na sexualidade. Cada mulher é única e diversa, buscando sempre novos olhares, informações, concepções.

O 8 de março leva a 1857, quando operárias de uma tecelagem em Nova York entraram em greve. Elas ocuparam a fábrica por melhores condições de trabalho, como a redução da jornada de 16 horas, respeito masculino e tratamento digno. A coragem dessas mulheres tornou-se um marco histórico: as grevistas foram trancadas e o local incendiado; pelo menos 130 delas morreram carbonizadas. Em 1910, em uma conferência na Dinamarca, foi estabelecido o 8 de março como Dia Internacional da Mulher. Mas somente em 1975 a ONU oficializou a data mundialmente.

Essas mulheres corajosas e destemidas serão sempre uma referência de luta e persistência. Suas ações nos ajudaram a chegar ao século 21, assim como de outras centenas de ativistas e militantes feministas e também mulheres anônimas com suas revoluções cotidianas. Porém, se a luta continua, as celebrações se renovam: 8 de março + VOCÊ no Por A mais B.

 

Por Anna Foureaux e Beth Barra, criadoras e editoras do Por A mais B

Categoria: Você